O Que Esperar Do Mercado De Consórcio Para 2020

Mesmo com um ano de 2019 cheio de incertezas, desconfiança, perda do poder de consumo, 64 milhões de brasileiros endividados mercado. Sendo assim desemprego acima de 11%, recessão desde 2014 e outras tantas dificuldades enfrentadas pelos brasileiros.

Para o consórcio estes números mostram inúmeras oportunidades, visto que o segmento de máquinas, equipamentos. Embora a aquisição de frota podem agregar ainda mais para os números crescentes do sistema.

O Que Esperar Do Mercado De Consórcio Para 2020 17 de março de 2020

Inflação

A conjuntura financeira surge simultaneamente como um obstáculo e uma oportunidade para o consórcio. A inflação apresentada pelas fontes oficiais não é homogênea em todo o país e sempre difere daquela praticada pelos varejistas que, por sua vez, possuem seu ambiente influenciado por outros fatores.

É de se esperar que a inflação se apresente nas prateleiras do comércio, já na prestação de serviço seja superior ao aumento nos preços de venda, o que inevitavelmente gerará uma perda de valor e de poder de compra no dinheiro que está aplicado na caderneta de poupança.

O brasileiro ainda não está treinado a fugir dessa desvalorização natural “própria” de economias em desenvolvimento. Ele ainda acredita que a poupança é um meio seguro para proteger enquanto realmente já faz pelos três semestres que deixou de ser.

As administradoras enxergam o cenário econômico com positividade. A queda dos juros é um dos grandes responsáveis pelo clima otimista. Afinal, juros mais baixos representam parcelas mais acessíveis e, consequentemente, uma parte da população que ainda não cogitava adquirir bens desperta para a possibilidade de investir na aquisição, com destaque para a casa própria, que surge como o principal bem de interesse.

Banco restringe a liberação

No entanto, com o aumento da procura, não há credito disponível suficiente para atender a demanda. Resultado: o banco restringe a liberação, sendo mais criterioso na análise, o que pode impactar em um acesso ainda mais difícil por conta da burocracia. Neste cenário, o consórcio surge como uma opção acessível para a obtenção de crédito.

Se em 2019, a modalidade de veículos leves e motocicletas responderam por mais de 2 milhões de adesões e a categoria de serviços se destacou de forma interessante, a expectativa para 2020 é ainda maior. Mesmo segurando a troca do carro ou a compra do imóvel receoso pela economia, o brasileiro investiu, e muito, em experiências.

Quando o assunto é venda, a forma em que o consórcio será consumido também é pauta. Sobre a influência do e-commerce no segmento espera-se crescimento na adesão por parte dos clientes.

No entanto, ainda é necessário ter cautela porque esse mesmo consumidor ainda enfrenta insegurança na efetivação da compra realizada totalmente pelo meio on-line mercado. Para explicar esse elemento é preciso trazer os dados de uma segunda pesquisa – a Raio-X do investidor edição de (2019) realizada pela ANBIMA  que aponta dados importantes acerca do comportamento do brasileiro enquanto poupador ou investidor.

A poupança ainda continua sendo citada como investimento preferido pelos brasileiros para investir ou poupar. De acordo com o Raio-X, o brasileiro possui o aplicativo e ou website da instituição financeira mercado. Sendo como o terceiro meio mais utilizado para buscar informações acerca de onde deverá investir.

Entretanto a relação ao canal para realizar esse investimento, em primeiro lugar na preferência encontra-se o corretor ou gerente da agência, e em segundo lugar encontram-se as ferramentas digitais (aplicativo ou website).